• Laura Stoppa

As fantasias sexuais mais comuns

Atualizado: 9 de Ago de 2018

Fantasias sexuais são comuns. Apesar desse fato, ainda são fonte de muita culpa, vergonha e até mesmo frustração. Fantasiar está relacionado ao desejo, à capacidade de imaginação de uma pessoa e com a permissão que ela se dá para criar em sua mente situações que são fonte de estímulo e tesão.

Uma pesquisa realizada pela revista Men’s Health e pelo site Simpatic.us com 2.700 pessoas revelou que as fantasias mais comuns entre as mulheres são: falar sacanagens durante o sexo (81%), ir a um clube de striptease (70%), utilizar brinquedos eróticos controlados remotamente (63%) em lugares públicos (44%) e ficar de olhos vendados durante o sexo (58%).


Essas situações são apenas alguns exemplos de possibilidades de fantasia no momento da relação sexual. Pequenas mudanças podem contribuir para aguçar a criatividade e o mistério. Ficar de olhos vendados, por exemplo, é algo simples de ser executado e pode ser o disparador de um tesão enorme para alguém, justamente por aguçar os outros sentidos. A escuta de sacanagens durante o sexo ter encabeçado a lista feminina também diz algo importante: geralmente as mulheres são muito mais auditivas que os homens e estão dizendo que gostariam que isso fosse mais explorado e utilizado na cama.


Em um nível psicológico, as fantasias podem estar intimamente relacionadas a contextos, situações e experiências que alguém deseja vivenciar. Desde ações mais típicas, como sexo oral, até situações mais elaboradas, como a criação de todo um roteiro na mente, nos mínimos detalhes. E elas podem ou não ser trazidas para a vida real e para a prática.


O Dr. Justin Lehmiller defende que nossas fantasias sexuais dizem algo muito importante sobre quem somos. Ele conduziu uma pesquisa com 4.175 norte-americanos sobre fantasias sexuais e descobriu que as mais comuns eram:

  1. Fazer um ménage: o sexo a três encabeçou a lista com 89% das respostas e é uma das fantasias mais comuns e mais cenográficas que existem.

  2. BDSM: sigla para Bondage, Dominação, Submissão, Masoquismo. 65% dos participantes admitiram fantasiar com dor, espancamento, mordidas e cera quente derramada em seus corpos. São práticas que envolvem sentir prazer com a dor própria ou assistindo e provocando a dor de outra pessoa.

  3. Mudanças: seja transar em um local físico diferente do usual ou com uma pessoa diferente, no caso dos entrevistados que estavam em um relacionamento monogâmico.

  4. Sexo em lugares públicos. Foram mencionados: no trabalho, no parque e no elevador.

  5. Fazer sexo com outra pessoa com aprovação do parceiro ou parceira atual ou presenciar o parceiro ou parceira fazendo sexo com outra pessoa.

  6. Sexo com significado foi considerada uma fantasia por muitos dos respondentes, que afirmaram que sentir que eram bons de cama e desejados era algo muito excitante.

  7. Fazer sexo com alguém do mesmo sexo foi uma fantasia citada por muitos dos que se identificaram como heterossexuais.

“Todas as pessoas possuem fantasias em maior ou menor grau. Elas alimentam nossos desejos e sonhos em todas as dimensões de nossas vidas, e nos permitem evoluir e desenvolver nossas potencialidades criativas”, explica o psicólogo e sexólogo Márcio Iost.


Conhecer suas fantasias faz parte da jornada de autoconhecimento que acontece naturalmente quando investigamos nossa sexualidade. Saber quais são elas pode ser um interessante ponto de partida para você se conhecer melhor, saber o que lhe estimula, ter um relacionamento mais honesto e prazeroso e, se for o caso, fazer as pazes com os seus desejos.


Fontes:

Pesquisa Dr. Lehmiller

Pesquisa Men's Health/Simpatic.us