• Laura Stoppa

Dia Mundial do Orgasmo


Hoje comemoramos o Dia Mundial do Orgasmo, criado em 1999 por sex shops inglesas na tentativa de alavancar as vendas. Aqui no TRANSEMOS todo dia comemorativo do tipo é desculpa e motivo para falarmos mais sobre sexualidade saudável com muita informação. Então seguem minhas reflexões sobre o dia, postadas originalmente no Instagram, para vocês pensarem mais sobre esse momento



Qual o seu orgasmo?


Descobrir qual é o seu orgasmo é uma busca íntima e longa, para toda a vida. Orgasmos individuais, múltiplos, clitorianos, secos, vaginais, rápidos e demorados. Independente da nomenclatura, tem o orgasmo que é só seu e só você sabe as reações que ele provoca no seu corpo.


Você vai perceber que, assim como você, seu orgasmo também não será o mesmo com o passar dos anos. Suas preferências podem mudar, seus conhecimentos podem expandir e suas experiências também poderão interferir para que os orgasmos mudem, melhorem, transformem e renovem.


Conheça seu corpo e aproprie-se do seu prazer. Sexo com companhia é bom, mas cada um precisa ser responsável pelo seu próprio aproveitamento - e isso só é possível com autoconhecimento corporal. E se você ainda não teve um orgasmo, que tal começar a praticar para um dia experimentar essa sensação? Não se cobre: isso é normal e você não está só. Aproveite a oportunidade para ter mais e melhores experiências, só ou com companhia.

Georges Bataille foi um dos principais pensadores a trabalhar com a expressão popular “la petite mort” para falar sobre o orgasmo - mais especificamente, sobre o que ocorre no corpo depois que ele acontece.


Nesse período, chamado refratário, é comum que muitas pessoas sintam sonolência, transcendência, cansaço físico pelo gasto de energia ou mesmo melancolia.


A “pequena morte” está relacionada à perda momentânea de consciência ou desmaio após o gozo em algumas situações. Em menor escala, é aquela “morrida” que você sente enquanto se recupera.


O orgasmo não precisa ser o objetivo sempre, até porque tudo o que vira obrigação perde um pouco da graça - que por sua vez se transforma em pressão. Entretanto, nesse dia de celebração orgástica, é preciso dar os créditos para esse seu lado mágico. Gosto muito dessa expressão francesa porque, como diria o próprio Bataille, “o erotismo é uma afirmação da vida que se estende até a morte”. E que maneira melhor a vida tem de nos lembrar que estamos vivos do que através de um bom orgasmo?