• Laura Stoppa

Camisinhafobia: como lidar

Situação 1: duas pessoas, após um encontro, resolvem ir para a casa de uma delas para transar. Uma dessas pessoas tem um pênis. No que a outra pede o uso da camisinha, a pessoa-portadora-do-pênis até tenta usar, mas broxa.


Situação 2: mulher e homem estão prestes a transar e ela pede que ele não use camisinha. É uma situação de sexo casual e ele se recusa.


A "camisinhafobia" está presente nas duas situações. A definição é simples: aversão ao preservativo. Como o preservativo masculino é mais acessível e mais comum de ser utilizado, além de ser um método contraceptivo de barreira que previne gravidez e ISTs (Infecções Sexualmente Transmissíveis), é mais natural prever que a fobia acontece nas pessoas que possuem pênis.


Entretanto, todo mundo pode ter camisinhafobia.

A mulher da situação 2, por exemplo, já foi relatada para mim por muitos amigos e amigas. Algumas mulheres não "gostam" da sensação da camisinha ou possuem alergia ao látex, mesmo sabendo que o ideal seria usar o método - especialmente em "transas de uma noite só".


Já para homens e pessoas transexuais com pênis, algumas das dificuldades com a camisinha podem estar relacionadas à dificuldade em manter a ereção ao colocar o preservativo ou à crença de que seu uso vai diminuir o prazer da relação.


Outra grande questão é a falta de comunicação entre as pessoas envolvidas, muito comum e até esperada no sexo casual e também extremamente presente mesmo nos relacionamentos mais duradouros. Na empolgação do momento, é comum ouvirmos que a camisinha foi "esquecida" ou que pedir seu uso vai "cortar o clima". Poxa, se o tesão mútuo conseguir ser quebrado por alguns minutos que são necessários para que o preservativo seja colocado, então ele não era tão forte assim.


Posicionar-se e ser a pessoa que exige o uso da camisinha para que a transa aconteça pode parecer ideal na teoria, mas todo mundo sabe que na prática fica bem mais complicado. Pode ser chato em alguns momentos ter que ser a pessoa que vai mandar um "alou, que tal usarmos camisinha?". Mas, se você não fizer isso, vai conseguir realmente aproveitar o sexo com tranquilidade? No momento, você pode até me responder que sim. No dia seguinte, porém, pode bater um arrependimento bem chato no estilo "o que foi que eu fiz" e todas aquelas preocupações com as consequências.


Esse tipo de demanda passa, inclusive, pela autoconfiança do indivíduo em conseguir se posicionar e colocar sua saúde sexual em primeiro lugar, sabendo que pode colocar aquela transa em risco ou mesmo gerar um conflito.


Os sentimentos envolvidos no sexo deixam a atividade muito mais complexa. Vale questionar, por exemplo, se uma pessoa que não está preocupada com a própria saúde nem com a saúde de sua parceria vale a pena aquela transa. Se é bacana colocar em risco sua saúde por causa de uma noite ou de alguém que lhe pressionou para fazer algo inconsequente. Usar camisinha é sinal de maturidade em relação à vida sexual e a saúde como um todo - sua e das pessoas com quem você se relaciona.


COMO RESOLVER A CAMISINHAFOBIA

Dicas que podem ajudar a superar a aversão pelo preservativo


  • Se o problema for que uma das pessoas possui alergia ao látex, compre camisinhas livres dele. Hoje já existem boas opções nas farmácias, a preços pouco mais altos que das camisinhas tradicionais.

  • A camisinha não diminui o prazer. Isso é um mito. Dados da Pesquisa Nacional de Saúde e Comportamento Sexual nos EUA publicados em 2010 com pessoas entre 18 e 59 anos mostraram diferenças irrelevantes no prazer e excitação de quem fazia sexo com ou sem camisinha. O que pode acontecer é uma preocupação psicológica e emocional com a ereção ou uma tensão excessiva no momento do sexo, por exemplo. Nesses casos, vale procurar um profissional da psicologia para orientação.

  • A camisinha pode, inclusive, trazer mais prazer para a relação sexual. Use a criatividade: existem hoje opções com cores, sabores e texturas diferentes, com géis que gelam, esquentam ou mesmo que ajudam a retardar a ejaculação. Além disso, o uso de lubrificantes com base de água também pode ser uma ótima ferramenta para aumentar o prazer.

  • Tenha sempre preservativos em um local de fácil acesso quando o "clima esquentar". Numa caixinha no criado-mudo, por exemplo. Se está ao lado da cama, é mais fácil lembrar de usar. Sem desculpas para o "esqueci", ok?

  • Guarde as camisinhas em um local seco e de pouco atrito. O calor e a umidade podem comprometer as características físicas originais. Não mantenha os preservativos em carteiras ou bolsos por muito tempo, pois isso pode facilitar que furem ou se rompam na relação. Quando guardar na bolsa ou mochila, certifique-se de que estão longe de chaves, grampos ou outros objetos com pontas.

  • Verifique sempre a data de validade e o selo do Inmetro no preservativo que você for usar.

Diálogo honesto é essencial na vida e no sexo e poder falar para a pessoa com quem você escolheu se relacionar que você faz questão do uso da camisinha é uma demonstração de responsabilidade e de respeito à vida. E dá bem menos dor de cabeça do que não usar.